O marketing pessoal e o sucesso profissional são duas coisas que andam juntas e para as quais deves olhar de forma conjunta.

Pergunto-te: quem de nós não quer ter melhores resultados no trabalho e/ou alcançar novos objetivos e concretizações profissionais?

O marketing pessoal serve para isso mesmo! Ele é no fundo uma estratégia que deves elaborar em torno da maneira como vais comunicar aos outros quem és. Uma boa estratégia de marketing pessoal é essencial para atingires o sucesso profissional que desejas.

Vou dar-te um exemplo. Pensa no iPhone, da Apple. Esta empresa, ao desenhar aquele produto, pensou não só na qualidade e funcionamento do mesmo mas também na imagem e estética do aparelho.

O design dos produtos Apple é, aliás, uma das características que os distingue de produtos de outras marcas. A imagem dos produtos faz parte da estratégia de marketing utilizada pela marca para captar a atenção do potencial comprador.

Nós = Produto

Quando falamos em marketing pessoal, precisamos pensar em nós como um produto. Isso significa que devemos cuidar não apenas do nosso conteúdo (competências pessoais e profissionais) mas também da nossa aparência (forma como nos damos a conhecer ao mundo).

Nesta publicação vais aprender a perceber porque é que o marketing pessoal e sucesso profissional andam de mãos dadas.

Porque é que precisas do marketing pessoal?

Se trabalhas numa empresa, precisas do marketing pessoal para mostrar à hierarquia a importância do teu trabalho para o sucesso da empresa. Se és empreendedor, o marketing pessoal é importante para a construção da tua imagem e reputação no mercado de trabalho. Até mesmo na tua vida pessoal este marketing é importante, nomeadamente quando queres impressionar alguém.

No fundo, o MP permite-te destacar as tuas melhores qualidades e competências, realçar o valor dos teus serviços/produtos e distinguir-te dos teus principais concorrentes no mercado.

No mundo profissional altamente competitivo e diversificado que vivemos atualmente, quem não tiver uma estratégia de MP e não souber destacar-se da multidão, passará despercebido. O teu sucesso está assim diretamente relacionado com a tua habilidade em expores e salientares o teu valor e o valor do teu trabalho.

A tua estratégia de Marketing Pessoal e Sucesso Profissional

Descobre os aspetos aos quais tens que ter atenção para ter um excelente marketing pessoal e associar essa força ao teu sucesso profissional.

Conhece o teu público

Se não conheceres o teu público, dificilmente conseguirás utilizar uma linguagem que ele perceba e dificilmente vais conseguir ir de encontro às suas necessidades.

Um erro cometido por muitos empreendedores inexperientes é querer chegar a toda a gente, pensando que assim terão mais resultados. Errado! Não só a tua mensagem ou a forma como a comunicas não fará sentido para toda a gente, como não conseguirás conhecer todas as necessidades de um público tão vasto e corresponder a essas mesmas necessidades.

Quanto melhor conheceres o teu público (e quanto mais específico ele for), melhor saberás quais são as dificuldades que ele enfrenta, quais as necessidades que procura satisfazer e que linguagem percebe e utiliza. Tudo isso permitir-te-à estabeleceres com ele uma melhor comunicação.

Questões a responder:
Quem é o meu público? (detalha o mais possível)
Quais são as necessidades do meu público e o que eu posso/quero satisfazer?

Percebe pelo que queres ser conhecido e falado

Para alcançares resultados profissionais, precisas que as pessoas falem de ti. Porque é que as pessoas falarão de ti? – esta é a questão à qual deves responder.

No meu caso, eu quero que as pessoas falem de mim por eu ser a Coach de Portugal que tem ajudado mais pessoas a revolucionarem as suas vidas profissionais e a viverem vidas profissionais mais realizadas e felizes.

Soa presunçoso? Isso é porque a maioria de nós acha que para permanecermos pessoas humildes, precisamos permanecer na sombra, sem dar muito nas vistas. Julgamos que falar sobre o nosso valor e sobre o valor do nosso trabalho é uma forma arrogante e vaidosa de expormos os nossos egos. Esta é uma crença que limita a quantidade de sucesso que iremos viver!

O teu objetivo é que o máximo número de pessoas possível fale de ti e do teu trabalho e que sempre que alguém precise de um serviço/produto como aquele que vendes, o teu nome seja o primeiro a surgir.

Questões a responder:
Pelo que é que eu quero ser falado?
O que é que preciso fazer para que o meu nome seja o primeiro a surgir?

Distingue-te dos demais

Vivemos numa época onde a concorrência é grande e por isso precisas distinguir-te dos teus concorrentes. Há quem pense que dar o preço mais baixo do mercado é uma forma de diferenciação. Porém, será que esse é o preço realmente justo?

Procura distinguir-te dos teus concorrentes salientando aquilo que tu tens de único, de diferente, de particular, de especial. Às vezes isso poderá significar apostares numa formação que te permitirá melhorar ainda mais os teus serviços/produtos. Depois deves fazer pagar o preço justo por isso: com bons argumentos e diferenciação, o teu valor é justificado!

Questões a responder:
De que forma posso destacar-me dos meus principais concorrentes?
O que é que preciso fazer para tal?

Não vendas

Quando pensamos em Marketing, associamo-lo quase imediatamente à venda. Estamos, porém, a falar de duas coisas distintas.

O MP é uma estratégia construída a pensar a longo termo (dirigida para o sucesso que pretendes alcançar) e orientada para as necessidades do consumidor. Já a venda, é orientada para o produto que se pretende vender, sendo uma tática pensada para o curto-termo.

A venda comunica com o nosso Eu racional (córtex cerebral) e o MP comunica com o nosso Eu emocional (sistema límbico).

Para implementar uma estratégia de marketing pessoal, é importante aprenderes a comunicar com o Eu emocional dos teus potenciais clientes. Isso significa deixar de pensar na pessoa que está a tua frente em função do lucro que ela te poderá trazer mas pensares sim sobre como a podes ajudar.

Para isso, é importante que te lembres que o produto/serviço que tu vendes só tem valor se for ao encontro das necessidades do teu público. Para ele, mais importante do que saber que formações fizeste ou que competências tens, é saber de que forma é que os teus serviços/produtos vão acrescentar valor à sua vida.

Uma estratégia fundamental no teu MP é mostrares gratuitamente (ou a custos reduzidos) como o teu serviço/produto vai satisfazer as necessidades do teu público. Para te dar um exemplo, sempre que alguém me questiona sobre o que é o Coaching, ao invés de explicar os seus benefícios e resultados, eu faço uma pequena sessão de Coaching à pessoa.

Ela sente imediatamente de que forma pode beneficiar dos meus serviços e eu não vendi absolutamente nada. Tudo porque me centro exclusivamente na forma que eu tenho de ajudar aquela pessoa.

Questões a responder:
Os meus serviços/produtos têm valor porque…
De que forma posso comunicar com o sistema límbico do meu público?

Aprende a comunicar

A comunicação é a chave mais importante de qualquer negócio. Se não souberes comunicar devidamente poderás estar a passar a mensagem errada, o que terá um impacto direto no teu sucesso.

Muitos de nós pensam que para comunicar bem precisavamos de ter nascido com um talento particular para a coisa. Errado! Na maioria das vezes, as pessoas mais reconhecidas não são aquelas que possuem talento mas aquelas que mais trabalham para serem realmente boas no que fazem. Assim, é importante que aprendas a comunicar, seja por escrito ou oralmente, em função das tuas necessidades profissionais.

Podes treinar em frente ao espelho ou discursar em frente a alguém de confiança, pedindo-lhe depois um feedback ou até uma reformulação do que disseste (para teres a certeza de que a pessoa percebeu a mensagem que tu querias passar). Podes ainda gravares-te a fazer um discurso para depois reveres e analisares não só os aspetos que deves melhorar mas também aqueles que já são as tuas maiores forças!

No que diz respeito à comunicação escrita, a melhor forma de aprenderes é vendo como é que aqueles que mais admiras o fazem. Presta atenção quando observas aqueles que te inspiram e anota as técnicas que eles utilizam para se exprimirem. Relê sempre o que escreves antes de o comunicares ao teu público e se tens dúvidas ou alguma dificuldade, encontra alguém que seja particularmente bom e que te possa ajudar. Lembra-te que podes fazer uma troca de serviços com essa pessoa, pagando a ajuda que te é prestada com os teus serviços/produtos.

Questões a responder:
O que preciso melhorar na forma como comunico com o meu público?
Como posso melhorar isso?

Aposta no teu desenvolvimento pessoal

Para que a tua estratégia de MP seja eficaz, precisas ser verdadeiramente quem és ao invés de te esforçares por seres outra pessoa que não tu.

Quando tentas ser outra pessoa que não tu próprio, a tua conduta peca por falta de coerência e autenticidade, o que se reflete na tua autoconfiança. Da mesma forma que tu percebes facilmente se estás na presença de alguém com uma baixa ou uma alta autoconfiança, também o teu público sente quando não és totalmente verdadeiro.

Segundo Jorge Lascas, o primeiro passo na tua estratégia de MP é saberes muito bem que és quem queres que os outros saibam que és.

Isso requer de ti duas coisas: autoestima e autoconfiança.

Existem pessoas com elevada autoestima que têm uma autoconfiança baixa assim como existem pessoas que têm elevada autoconfiança e uma autoestima baixa. Estas últimas escondem facilmente uma autoestima baixa.

É absolutamente normal que tenhas uma autoconfiança baixa em determinados campos da tua vida. Porém, ter uma autoestima baixa pode dificultar a tua vida de uma forma geral.

Autoconfiança

Autoconfiança é, como o próprio nome indica, a confiança que tens nas tuas capacidades.

A autoconfiança está intimamente relacionada com o contexto em que te encontras, com os teus comportamentos e as tuas capacidades.

Imagina que vais entrar num campo que te é desconhecido: isso vai afetar o teu comportamento e vai interferir no teu desempenho (capacidades). Nesse momento é praticamente impossível sentires-te confiante.

Assim, e como a autoconfiança depende do contexto em que te encontras, isso explica que possas ter uma autoconfiança elevada em alguns campos da tua vida e não em outros.

Uma vez que a tua autoconfiança deriva da tua experiência no mundo, ela apenas se desenvolve se praticares e se saíres da tua zona de conforto, aprendendo e tentando novas coisas ou coisas que aches mais difíceis de realizar.

Pensa numa jovem enfermeira que vai fazer a sua primeira tiragem de sangue. Ela começa por se sentir pouco ou mesmo nada confiante nas suas capacidades, visto que praticou muito pouco esse procedimento. À medida que vai praticando em mais e mais pessoas, ela vai se sentindo cada vez mais eficaz e confiante nas suas capacidades.

Pessoas com elevada autoconfiança aceitam novos desafios e oportunidades, lidam e adaptam-se em situações difíceis e assumem responsabilidade quando as coisas não correm bem.

A tua autoconfiança contribuirá para o teu sucesso e este por sua vez contribuirá para aumentar a tua autoconfiança.

Muitos de nós confundem autoconfiança com arrogância ou ego elevado. É exatamente o oposto. Pessoas arrogantes ou com tendência a falarem exacerbadamente dos seus grandes feitos escondem frequentemente uma falta de confiança em si próprios e uma baixa autoestima.

Questões a responder:
O que preciso fazer para confiar mais nas minhas capacidades?
O que preciso fazer para acreditar mais em mim?

Autoestima

A tua autoestima depende das tuas crenças (aquilo que tu acreditas ser verdade sobre o mundo, os outros e sobre ti mesmo) e da tua identidade (aquilo que tu pensas de ti mesmo).

Ela tem a ver com o valor que dás a ti mesmo, que por sua vez reflete e determina a relação que tens contigo mesmo, com os outros e com o mundo. Ao contrário da autoconfiança, que deriva de uma experiência externa, a autoestima advém de uma experiência interna.

Pessoas com uma maior autoestima, têm mais probabilidade de serem mais autoconfiantes… mas nem sempre é assim!

Pessoas com elevada autoestima não necessitam de se elevar através de fatores externos tais como o status, o dinheiro ou notoriedade ou apoiarem-se em “muletas” como o álcool, drogas ou sexo. Tratam-se com respeito, tomando conta da sua saúde, comunidade e contexto onde vivem.

Como toleram o risco e estão abertas a novas experiências e aprendizagens, não temem o fracasso ou a rejeição, o que lhes permite investirem em projetos e em pessoas. Elas aceitam e perdoam os outros e a si mesmas e vêm o mundo como um lugar amigável.

Já pessoas com uma fraca autoestima nunca celebram as suas vitórias e nunca se recompensam, colocando-se sempre para baixo e criticando-se interiormente. Da mesma forma que o fazem consigo mesmas, elas têm tendência a criticar e julgar os outros. Têm dificuldades em aceitar elogios e dão desculpas pelos seus “fracassos”.

Melhorar a autoestima

Para melhorares a tua autoestima, é importante ouvires-te mais, desligando o teu crítico interno. Deves ser o teu melhor amigo, acumulares cada uma das tuas vitórias e celebrá-las, por muito pequenas que te pareçam.

Deves apoiar-te ao longo do teu processo de experiência e aprendizagem e celebrares o facto de fazeres algo, independentemente do resultado que daí advier.

Alguém que tenha falta de confiança para falar em público pode fazer um curso para aprender a falar em público. Ela vai assim melhorar a sua confiança nesse contexto específico da sua vida. No entanto, se essa mesma pessoa tiver uma baixa autoestima, nunca vai reconhecer o caminho que fez nem valorizar-se por isso.

Questões a responder:
Que pequenas vitórias acumulei esta semana?
Como celebrei cada uma delas?

Expõe-te

Sai do teu casulo, da tua zona de conforto e marca presença junto de pessoas, locais e eventos onde o teu trabalho precisa ser dado a conhecer! Talvez esteja na altura de realizares a tal palestra que tens vindo a adiar ou parares de protelar o envio do email para aquela pessoa que tanto queres contactar.

Ensinares aquilo que tu sabes e fazeres consultas de supervisão para pessoas que se estão a iniciar na tua área é igualmente uma excelente forma de te dares a conhecer a mais pessoas!

O cartão de visita continua a ser um “must-have”. Quando na creche do teu filho te pedem um contacto ou morada, quando conheces uma nova pessoa e queres trocar números de telefone… todas as oportunidades são boas para trocares o teu cartão de visita e te dares a conhecer.

Dares-te a conhecer passa por estares presente fisicamente no mundo real mas não só!

A importância do mundo online para nos darmos a conhecer é igualmente importante. Porém, a forma como utilizamos o social networking precisa ser coerente com a nossa estratégia de marketing pessoal.

Um site cujo conteúdo esteja mal elaborado, uma página de facebook que passe a mensagem errada ou até as cores mal selecionadas para um logotipo podem ferir a coerência da imagem que queres passar de ti.

Consultar um especialista em marketing digital ou em marketing de conteúdo pode ser uma ajuda preciosa para perceberes como é que te podes posicionar online.

Questões a responder:
A quem preciso dar a conhecer o meu trabalho?
Em que eventos preciso participar?

Permite-te mudar a ti e ao teu negócio

Muitas vezes sentimos que há algo no nosso negócio que já não se alinha totalmente com quem nós somos. Talvez esse algo tenha feito sentido numa determinada altura do nosso desenvolvimento profissional e pessoal. Como qualquer elemento da Natureza, nós estamos em constante mutação.

O que fez sentido numa certa altura pode já não fazer sentido agora. Querer que as coisas permaneçam constantes é como impedir um filho de crescer e quantas coisas ele não perderá com isso?!

Lembras-te de termos falado da importância de seres autêntico para conquistares a confiança do teu público? Ora como podes permanecer autêntico se não dás oportunidade ao teu negócio de evoluir contigo e se realinhar constantemente?

Revisita-te continuamente: tanto a ti como ao teu negócio. Não hesites em “limar as arestas” que forem necessárias! É importante que ele reflita com autenticidade quem tu és e o que tens de melhor para oferecer ao mundo.

Questões a responder:
O que já não está a fazer mais sentido para mim?
O que é que o meu negócio ainda não reflete de mim?