Freelancer: o que é? Guia completo para começar na prestação de serviços

Como ser Freelancer em Portugal e Trabalhar com Prestação de Serviços

O que é um freelancer? Esta é uma das perguntas que recebo muitas vezes quando falo do meu percurso como freelancer em Portugal.

O estatuto de freelancer cresceu significativamente nos últimos anos, como sendo uma forma de trabalhar online em Portugal – e para o mundo inteiro. No entanto, ainda levanta muitas dúvidas. O que significa realmente ser um freelancer?

No eBook Como Ser Freelancer explico como podes criar a tua própria atividade, abordando nomeadamente a descoberta profissional com exercícios práticos. Isso vai permitir-te saber o que tens e o que és e o que pode resultar profissionalmente essa combinação.

Freelancer: o que é e o que significa ser um?

O termo freelancer é um anglicismo que significa literalmente “lança livre”. Etimologicamente, a palavra vem da idade média, numa altura em que os cavaleiros alugavam as lanças que necessitavam para proteger as terras e participar nas batalhas.

Hoje o produto não são lanças, mas o sistema de trabalho implementado em relação aos freelancers é semelhante. Um freelancer é um prestador de serviço, que “aluga” o seu tempo e horas a um, dois ou mais clientes, de forma temporária para a realização de um projeto ou serviço.

Ser freelancer distingue-se do empregado por conta de outrem pelo facto de não haver uma relação de subordinação direta entre o freelancer e a empresa-cliente. Aliás, o princípio de um freelancer é ter-se vários clientes e realizar diferentes projetos.

Quais são as vantagens e desvantagens dos freelancers?

Trabalhar online em Portugal como prestador de serviço tem várias vantagens. Um trabalhador independente tem autonomia na organização do seu trabalho e do seu tempo.

Da mesma forma, pode também escolher os projetos nos quais trabalha, bem como as empresas para quem trabalha.

Por outro lado, a questão da remuneração, por ser definida pelos clientes e projetos que tem, pode ser desafiante. Outro lado menos positivo de trabalhar por conta própria é ter de fazer várias tarefas de áreas diferentes, desde as finanças, marketing, divulgação, comunicação e, no fim, o trabalho propriamente dito.

Leitura recomendada:
Trabalhar Remotamente: Serão Só Vantagens?
O que te impede de começar a trabalhar como freelancer?

Perguntas para começar a trabalhar como freelancer

O trabalho como freelancer é, ao contrário do que muitos pensam, um trabalho complicado que pede muito esforço e dedicação, sobretudo nos primeiros tempos.

Se queres começar a trabalhar como prestador de serviços, é importante que te faças as seguintes perguntas.

- Anúncio -

Tens a certeza dos teus valores?

Ter um trabalho online em Portugal não é uma escolha profissional fácil. Antes de te lançares nessa aventura, pergunta a ti mesmo:

  • porque é que queres ser freelancer?
  • se trabalhas atualmente, porque queres desistir do teu trabalho?

Leitura recomendada:
Como saber se devo ou não deixar o meu trabalho?

Visualização recomendada:
Vídeo: “Quando começar a trabalhar remotamente?”

Um exercício muito poderoso nesta fase é escreveres numa folha todos os emprego ou estágio que tiveste. Associa a cada um deles três coisas que tenhas gostado e não tenhas gostado em cada um.

No final analisa a lista e tenta entender melhor quais são os teus valores e o que procuras realmente:

  • Será o dinheiro?
  • Será autonomia?
  • Será reconhecimento?
  • Quais são os teus valores?

Estás pronto para trabalhar mais?

Se pensas em ter um trabalho por conta própria para trabalhar menos… nem comeces!

A ideia de que os freelancers trabalham menos não só está completamente errada, como é precisamente o contrário que acontece.

Vou dar-te um exemplo. Vamos pensar num diretor de arte que trabalha numa empresa. Esse profissional vai trabalhar 8 horas diárias, 5 dias por semana e aquele é o tempo do seu trabalho e o seu único trabalho.

Agora vamos pensar num trabalhador por conta própria a prestar serviços na área artística. Por sua vez, este profissional vai ter de:

  • construir a sua identidade visual;
  • ter as redes sociais atualizadas;
  • procurar clientes e fidelizar os mesmos;
  • fazer orçamentos;
  • entrar em contacto com os clientes e negociar com os mesmos.

Além disso deverá gerir as suas finanças pessoais e as finanças do seu negócio, assim como pagar a possíveis colaboradores.

Apenas com esta pequena lista de tarefas, o freelancer “diretor de arte” precisará de ser webdesigner, designer, marketer, comercial, secretário, copywriter e gestor de finanças.

O “pior” é que a lista não acaba aqui porque para além de todos os trabalhos mencionados, ainda tem que fazer o trabalho propriamente dito!

Portanto, sim, por vezes um freelancer pode não ter muito trabalho e, se calhar, apenas trabalha 5 horas por dia. No entanto, a vida de freelancer não é sempre assim: prepara-te, na maioria do tempo e sobretudo no início, para trabalhar muito mais do que 8 horas por dia.

Leitura recomendada:
Começa a trabalhar remotamente em 2019: dicas e estratégias mês a mês!

Estás preparado para lidar com a incerteza financeira?

A incerteza financeira acompanha grande parte dos freelancers. Pode acontecer que num mês um prestador de serviços receba €500, no mês seguinte €1000, mas, no próximo, apenas €200.

Ao trabalhares por conta própria, poderás ter hoje um cliente e amanhã já não o ter. Isso pode resultar num corte no teu orçamento mensal, dependendo da importância desse mesmo cliente.

Sobretudo no início, trabalhar como freelancer pode ser incerto. Até conseguires chegar a uma organização que te permita ter uma agenda constante de clientes e de pagamentos essa incerteza pode realmente existir.

Leitura recomendada:
Como lidar com as finanças quando o rendimento é irregular
Como alcançar a estabilidade financeira sendo freelancer

És disciplinado?

Um trabalho por conta própria vai exigir de ti uma grande disciplina. Existem prazos para cumprir e, caso não os cumpras, serás tu a dar a cara.

É necessário que trabalhes e aprendas como te podes organizar e aplicar métodos de produtividade. Isso permitir-te-à encontrar o equilíbrio perfeito entre a tua vida pessoal e profissional para não pores em risco prazos e datas limites de entregas.

- Anúncio -

És capaz de fazer vários tipos de trabalhos?

Ao trabalhares como freelancer, precisarás de fazer vários tipos de trabalho e é importante também que estejas constantemente em aprendizagem.

Serás capaz de fazer todo o tipo de trabalhos?

De ser polivalente?

Mesmo sendo tímido, és capaz de fazer trabalho comercial?

Podes, claro, terceirizar algumas tarefas e contratar, por exemplo, uma assistente virtual. Mas se não tens orçamento no início para contratar alguém, tens que ter noção que vais ter de tratar de várias tarefas diferentes.

Leitura recomendada:
Assistente virtual: quem é esta pessoa que te pode ajudar a ser mais produtivo?

Consegues lidar com imprevistos?

Imprevistos acontecem a toda a hora na vida de um freelancer. Vamos imaginar que fizeste um site para um cliente e ele gostou e disse que não necessita de alterações. Entretanto surge-te outro cliente e tu ficas contente porque vais ter mais trabalho e, consequentemente, mais rendimentos.

No entanto, esse novo trabalho, tem uma data de entrega apertada. Tu és capaz, sabes disso. Mas o teu cliente anterior, uma hora depois, diz que afinal necessita que alteres algo. Estás sem tempo com o novo trabalho e tens que fazer alterações no anterior.

Este é um exemplo comum do que pode acontecer durante um trabalho como freelancer. Existem outros como o cliente não ter dinheiro para te pagar naquela semana como tinham acordado ou estares a contar com um cliente que escolheu, à última hora, outro trabalhador.

Estes imprevistos acontecem e tens que estar preparado para lidar com eles. Uma forma de lidar com eles é ter um bom contrato de prestação de serviços que inclua datas de entrega e limites de revisões. Isso minimizará os imprevistos que te podem acontecer nos projetos.

Como descobrir o que fazer como prestador de serviços?

Encontrar a área certa e saber como iniciá-la é provavelmente um dos maiores desafios – e o que faz com que muitas pessoas não dêem o passo.

Sendo um fenómeno relativamente recente em Portugal, ainda nem sempre é compreendido – tanto pelas pessoas que o são, como pelos potenciais clientes e contratantes.

Para começares a trabalhar de forma independente e como prestador de serviços, é essencial pensares em ti como fonte de competências e de conhecimentos e não apenas como um CV.

Ou seja, mais do que procurares vender as tuas certificações, é importante que penses e destaques as tuas competências e paixões.

Que valor podes agregar enquanto prestador de serviço?

Faz-te as seguintes questões:

  • que conhecimentos e competências tens?
  • o que gostas de fazer e quais são as tuas paixões?
  • que necessidades e respostas a problemas consegues trazer?
Encontrar a área profissional enquanto freelancer e prestador de serviços

Vai ser a combinação destas três respostas que te vai trazer clareza sobre que serviço podes prestar enquanto freelancer.

Desde o início do projeto do Nomadismo Digital Portugal já ajudei centenas de pessoas a encontrarem atividades profissionais no online. Por isso, criei um 100% curso online sobre como podes descobrir a tua área profissional no online. Clica aqui para saberes tudo sobre este curso.

    Leitura recomendada:
    Como encontrar a tua área profissional e serviços?

    Como fechar os primeiros clientes?

    Ao entrares no mercado de trabalho remoto, irás deparar-te com os “freelancers experientes”. Esses conseguem manter tarifas altas e, mesmo assim, multiplicam clientes e projetos. Que nervos!

    A competência e concorrência são elevadas: como é que podes então conseguir trabalhos de freelancer quando tens zero experiência?

    Vou dar-te uma novidade:

    não existe zero experiência quando falamos de trabalho como freelancer

    Claro que é importante teres um bom portfólio, com bons projetos e clientes importantes. No entanto, mesmo que nunca tenhas tido um cliente ou projeto, já tiveste certamente oportunidades para pôr em prática a competência que estás a vender e a comercializar.

    Projetos pessoais, trabalhos escolares ou mesmo projetos que tenhas feito gratuitamente para amigos e familiares: tudo isso é experiência e são coisas que provam que tens a competência que estás a tentar vender.

    Se estás a tentar trabalhar enquanto coach talvez já tenhas feito acompanhamentos a amigos ou familiares.

    Se queres trabalhar com design, já fizeste alguns projetos mesmo que para ti.

    Se queres trabalhar enquanto produtor de conteúdo ou escritor, já escreveste certamente textos ou artigos (mesmo que para o teu blog pessoal).

    Aí tens: tudo isso é experiência que pode ser usada para conseguir trabalhos de freelancer!

    Ser freelancer não é um título profissional

    Não existem cursos ou formações que te ensinam a ser freelancer. Existem cursos online, workshops ou ebooks especializados que te ensinam a ter algumas competências e a saber como podes criar a tua atividade enquanto freelancer.

    No entanto, ser freelancer não é um título profissional que se ganhe com uma licenciatura ou um mestrado: é um posto que se desenvolve usando a tua experiência e trabalho.

    Mais anos de trabalho e clientes não é necessariamente melhor

    Trabalhar como freelancer há muitos anos, ter um vasto portfólio de projetos e de clientes não significa logo que esse freelancer irá ser sempre melhor que tu e será sempre aquele que vai ser escolhido.

    Como assim?

    Imagina que uma consultora de informática procura uma pessoa para fazer conteúdos para o seu blog.

    Um escritor freelancer, com vários trabalhos e clientes candidata-se. Tem realmente um vasto portfólio, mas nenhum cliente ou projeto ligado à informática.

    Uma segunda candidatura é de um freelancer que trabalhou durante muitos anos em consultoras e empresas informáticas, mas ainda não tem conteúdos escritos publicados por ele.

    A empresa, neste caso, irá avaliar com atenção a candidatura do segundo freelancer.

    Porquê?

    Porque iria demorar algum tempo a explicar ao primeiro freelancer o que é uma consultora de informática e explicar-lhe alguns aspetos mais técnicos desta área.

    O truque para arranjares trabalhos como freelancer é precisamente destacares e usares todas as tuas experiências para sustentar o valor da tua candidatura.

    Leituras recomendadas:
    Oferecer o teu tempo e trabalhar de graça: o que deves saber
    Como escrever uma proposta de serviços que resulta!

    Onde encontrar os primeiros clientes?

    Quando souberes o queres fazer, como podes encontrar os teus primeiros clientes? Sou apologista de que, como trabalhadores independentes, não devemos ficar à espera que os clientes apareçam.

    Seguem alguns pontos que deves ter em conta para encontrares os teus primeiros clientes.

    Plataformas de trabalho remoto

    Quando se está a começar uma carreira de freelancer, o primeiro reflexo para procurar trabalhos e clientes são as plataformas de trabalhos remoto.

    Existem várias plataformas onde podes encontrar os primeiros clientes e onde podes também avaliar as necessidades do mercado.

    Leitura recomendada:
    52 sites para começares a trabalhar online como freelancer

    Rede de contactos

    Enquanto freelancer que está a começar, deves começar por procurar potenciais clientes onde já estás posicionado. Os teus amigos, a tua família, os teus conhecidos e as tuas redes de contactos são potenciais locais onde podes encontrar os teus primeiros clientes como freelancer.

    Aproveita as redes sociais com o LinkedIn, o Facebook e o Twitter para te apresentares enquanto freelancer e falares dos teus serviços.

    Se tiveres conhecimento de algum amigo ou conhecido que precise de serviços que estás a desenvolver, envia-lhe diretamente uma mensagem: sem medos!

    Criar um blog ou site profissional

    Podes criar um blog no qual publicas conteúdo especializado, ligado à área na qual te queres especializar.

    Leituras recomendadas:
    Como criar um blog: o guia passo-a-passo para iniciantes
    Atrair clientes usando o teu blog: aprende como!
    A importância de ter um blog de freelancer

    As publicações que escreveres podem ser partilhadas nas tuas redes sociais e podem ser enviadas em anexo a candidaturas de trabalho: acabam por ser provas daquilo que sabes.

    Networking

    Networking é uma expressão muito utilizada nos dias de hoje e que remete para uma rede de contactos profissionais. Esses contactos podem ser conseguidos tanto em modo offline como online e podem ser o início de uma lista de clientes.

    A ideia é conheceres o máximo de pessoas na tua área de atuação, sejam eles potenciais clientes ou potenciais colegas ou parceiros de trabalho. Através dessas pessoas poderás conseguir trabalhos, aprendizagens ou, quem sabe, parcerias de sucesso!

    Algumas formas de fazer networking:

    Leituras recomendadas:
    Cowork em Lisboa: onde trabalhar na capital portuguesa
    Quais são os espaços de coworking no Porto?

    Troca de serviços de freelancer

    Trocar serviços com outros profissional é não só uma forma de validar o teu caminho profissional, como também uma forma de ganhares exposição, feedback e serviços que te podem dar muito jeito.

    Aqui estão algumas perguntas que deves responder para avaliares uma possível troca de serviços:

    • Esta pessoa ou negócio é similar ao teu público-algo? Para retirares valor dessa troca de serviços, o trabalho que realizares precisa de atrair futuros clientes como freelancer.
    • O serviço que estás a receber tem o mesmo valor daquele que estás a dar? Numa troca de serviços, precisas de perceber exatamente o que vais fazer e o que vais receber. Como num trabalho normal, evita fazer promessas do que quer que seja.
    • Assegura-te que irás receber um feedback escrito ou recomendação da pessoa, para que possas usar no teu site ou rede social.

    Presente nas redes sociais

    Uma presença digital de qualidade é essencial para um freelancer. Inscreve-te em grupos de Facebook e de LinkedIn, em fóruns e está atento a conversas no Twitter.

    Se vires alguma publicação a pedir ajuda com algo relacionado com a tua área, mais do que promoveres e tentares logo vender os teus serviços, responde e ajuda de forma gratuita. Ajudar de forma gratuita alguém, numa necessidade pontual, faz-te ganhar pontos ao pé dessa pessoa! Quando ela precisar de contratar alguém da área, irá lembrar-se certamente da pessoa que a ajudou.

    Workshop recomendado:
    Como podes potencializar a tua presença no LinkedIn – Comunidade Digital

    Quanto cobrar por uma prestação de serviço?

    Uma das maiores dificuldades quando decidimos começar a trabalhar por conta própria é decidir quanto é que vamos cobrar.

    Surgem várias questões:

    • Quanto vale a minha hora de trabalho?
    • Que critérios devem ser considerados no orçamento?
    • Devo cobrar por hora ou por projeto?
      Devo pedir uma percentagem adiantada ou não?

    Aconselho-te a leres um artigo que fala exclusivamente sobre esta temática:

    Faz o cálculo do teu preço por hora como freelancer

    No eBook Como Ser Freelancer também há uma seção inteiramente dedicada a esta temática.

    Os erros a não cometer

    Não fazer networking

    Não fazer networking é um dos erros mais comuns de muitos freelancers iniciantes. Comunicar e conhecer pessoas é muito importante para qualquer freelancer. Não descuides a tua vida social e faz networking profissional!

    Ficar à espera de clientes

    Ficar de braços cruzados à espera de clientes é um dos erros que muitos freelancers iniciantes cometem. Mais do que estares atento à procura do mercado pelo teu tipo de trabalho, tens que criar oportunidades de trabalho e de projetos.

    Envia candidaturas espontâneas acompanhadas de cases e propostas a empresas e clientes que tens a certeza que podes ajudar. Encontrares as falhas e necessidades de alguém ainda antes de ele saber que tem esse problema, é meio caminho para fechares contrato!

    Não ter um blog ou site profissional

    Teres um sítio online no qual podes publicar conteúdo ligado ao teu trabalho é essencial. Seja um simples site profissional no qual te apresentas e mostras o teu portfólio ou algo mais completo que integre um blog e conteúdo, cria um espaço teu e que te pertence.

    Isso permite não só que sejas encontrado no Google e redes sociais mais facilmente, mas também faz com que a tua credibilidade no mercado aumente. Se não souberes como criar um blog do zero, segue este nosso tutorial gratuito para criares o teu blog profissional.

    Falta de organização

    Um bom freelancer tem que ser um mestre de organização, sobretudo no que diz respeito ao seu trabalho. Teres o teu trabalho organizado, saberes de forma clara quais são as datas de entregas que tens, que clientes e projetos são prioritários faz com que saibas precisamente como serão os teus dias futuros.

    Com uma agenda organizada, podes mais facilmente organizar as tuas tarefas, usufruir de mais tempo livre e aceitar ou recusar clientes, pois tens uma noção clara de como vão ser os teus dias futuros.

    Não evoluir

    O trabalho de um freelancer tem que evoluir! À medida que vais trabalhando, utilizando novas ferramentas e melhorando os teus serviços, tens que fazer evoluir a tua atividade.

    Oferece novos serviços, complementa as tuas competências com novas aprendizagens e cria projetos que aumentem o valor do teu trabalho.

    Não ter as finanças organizadas

    Uma boa organização financeira é necessária para estares descansado. Saberes quanto precisas de ganhar por mês para fazer face às tuas despesas permite que não estejas desesperado por falta de dinheiro.

    Leitura recomendada:
    Fundo de Emergência: Sabes o que é e como começar a fazer um?

    Desistir cedo demais

    Os primeiros clientes são os mais difíceis de conquistar. Não desistas perante essa dificuldade inicial! Dependendo da tua área, para alcançares um trabalho e atividade constante, precisas de tempo, organização e planeamento.

    Não aprender mais

    Como freelancer, já não és só um simples empregado: és também o teu chefe! Tens que aprender mais não só sobre a tua atividade e trabalho mas também sobre empreendedorismo, finanças e organização, pois esses aspetos são indispensáveis para uma carreira de freelancer de sucesso.

    Conclusão

    Espero que este guia te tenha ajudado a entender o que é ser freelancer e o quão a pena vale de apostares numa carreira por conta própria se procuras uma alternativa profissional.

    Se sentes que o trabalho online é para ti, junta-te à comunidade digital mais exclusiva de Portugal: a Comunidade Digital. Encontramos-nos lá!

    - Anúncio -

    Outros Posts

    Subscreve a Newsletter Gratuita

    Preenche o formulário para subscreveres a newsletter gratuita do Nomadismo Digital Portugal e recebe conteúdos exclusivos e todas as novidades em primeira mão!