Como as tuas convicções te impedem de viveres a vida que sonhaste? É a questão de hoje. Existem diversas razões pelas quais transformar a nossa vida profissional é um verdadeiro desafio. No último artigo que escrevi aqui para o Nomadismo Digital Portugal, falei-vos da importância de conhecermos os nossos valores como alavanca para essa transformação.

Eles são, como eu gosto de dizer, a morada que vamos inserir no nosso GPS e sem a qual ficaremos no mesmo sítio de sempre (pois sem morada o GPS não nos poderá levar a lugar nenhum).

Porém, e antes mesmo de conhecermos os nossos valores, precisamos de dar um passo, o primeiro de todos, para que essa transformação profissional ocorra. E esse passo prende-se com as nossas convicções!

Que convicções?

Se acreditamos que não temos nenhum talento ou que os talentos que possuímos não dão dinheiro, se acreditamos que trabalho é sinónimo de sacrifício, que se estamos insatisfeitos, o problema está em nós, que precisamos de nos esforçar mais para nos adaptarmos ao mundo laboral ou qualquer outra crença limitante deste género, o mais provável é que permaneçamos no mesmo trabalho de sempre.

Como assim? Eu explico. Aquilo em que nós acreditamos – as nossas crenças – são como “profecias autorrealizáveis” isto é, aquilo em que acreditamos é aquilo que encontramos na nossa realidade. E depois, é tipo “pescadinha de rabo na boca”: se aquilo em que acredito é o que encontro na realidade, essa realidade vai reforçar aquilo em que acredito!

Vejamos um exemplo. Sabem aquela nossa amiga que está convencida de que todos os homens são uns “filhos da mãe” e que, a cada nova experiência amorosa, parece de facto atrair apenas homens que são uns “filhos da mãe”? Não é de admirar. Se ela acredita que TODOS os homens são assim, ela nunca vai procurar um homem que não o seja! Para ela, não há outra possibilidade, não há escolha a fazer. Então ela aceita qualquer “filho da mãe” que lhe apareça no caminho (porque afinal todos os homens são assim).

Ações e resultados

Aquilo em que acreditas condiciona as tuas ações. Seja isso sobre trabalho, sobre ti próprio, sobre dinheiro, sobre a vida. Sendo que são as tuas ações que geram os teus resultados, se queres obter resultados diferentes dos que tens obtido até aqui, tens de agir de forma diferente. Já Einstein dizia que “a insanidade é continuar a fazer sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”. Se queres agir de forma diferente, precisas criar novas convicções.

Se estiveres cheio de crenças limitantes, as tuas ações vão contribuir para que não mudes nada. Vais permanecer no mesmo sítio de sempre. Pelo contrário, se estiveres cheio de crenças impulsionadoras, estas vão condicionar as tuas ações. Vão ajudar-te no sentido de alcançares os teus objetivos e operares a tua almejada mudança profissional.

E agora surge a questão que vale um milhão. Como substituir as nossas crenças limitantes por crenças impulsionadoras? Lê a resposta aqui!