Como Ter Estabilidade Financeira sendo Freelancer? - Nomadismo Digital
alcançar estabilidade financeira como freelancer

Como alcançar a estabilidade financeira sendo freelancer

O dia em que um freelancer alcança a tão desejada estabilidade financeira, é um evento para marcar no calendário. Nesse dia, sente que tomou a decisão certa quando decidiu abandonar o emprego das 9 às 5.

Qualquer freelancer quer ter tempo, concentrar-se e fazer um bom trabalho. Mas no seu inconsciente, a ideia de chegar ao fim do mês e não ter rendimentos suficientes, pode pôr tudo em causa.

Existe um lado mais empresarial no regime freelancer relacionado com a contabilidade, fiscalidade, marketing e um pouco de relações públicas que é necessário dominar. A estabilidade financeira assim o exige.

Mas não é caso para desesperar!

Com o devido controlo das finanças e algumas estratégias para ter trabalhos paralelos, diversos clientes, acertar nos preços praticados, é possível minimizar os riscos financeiros.

Este artigo começa por explorar as estratégias para diversificares as fontes de rendimento. De seguida, debruça-se sobre a vertente mais administrativa e contabilística – sim, é imprescindível e gera resultados!

Diversifica a tua carteira de clientes

Quantos clientes devo ter para alcançar estabilidade financeira?

Há clientes ideias. Aqueles com quem gostas trabalhar, pagam o valor justo e continuam a enviar-te pedidos.

Contudo, se 50% do teu rendimento vem apenas de um cliente e representa a maioria dos teus ganhos, esta dependência pode não ser saudável para o teu negócio.

Um dos segredos para alcançar a estabilidade financeira é diversificar a carteira de clientes. Uma empresa pode decidir reduzir os custos com a contratação externa de serviços, ou optar por outro freelancer.

De repente, perde-se a maior fonte de rendimento.

É um trabalho desafiante ir à procura de clientes, mas tem que ser feito. É certo que terás que controlar melhor a tua contabilidade, escrever e-mails, estudar empresas, redigir a tua apresentação, mas a vida de freelancer não é só sinónimo de flexibilidade e liberdade.

Transformar um projeto único numa parceria

Conseguiste um trabalho pontual, ótimo. Pensa mais além e considera a hipótese de estender a parceria.

Oferece outros serviços nos quais tenhas competências e, acima de tudo, mostra ao cliente as vantagens que este regime de colaboração representa também para a sua empresa.

Grandes clientes têm, por norma, hierarquias complexas. Os orçamentos são difíceis de aprovar num curto espaço de tempo e, como consequência, os projetos atrasam-se e a previsão de custos derrapa.

Ao estabelecer-se uma colaboração a longo prazo, a empresa – e sobretudo o gestor de projeto – evitam estes constrangimentos, portanto, é uma relação win-win.

Considera expandir o teu nicho

Um programador web pode considerar oportunidades noutras linguagens de programação. Um fotógrafo especializado em casamentos pode aceitar pedidos para um projeto de fotografia comercial.

A especialização numa determinada área é vantajosa. Podes praticar preços mais elevados e sair a ganhar na lei da procura e da oferta, porém, abrir os horizontes e testar novos mercados torna a tua carteira de clientes mais rica.

  • Ganhas mais clientes de diferentes indústrias;
  • Multiplicas as fontes de trabalho.

Cria as tuas próprias oportunidades

Os fluxos de trabalho enquanto freelancer acompanham o ritmo das empresas. No início do ano, com a aprovação de orçamentos, assiste-se a um aumento de trabalho. Nos meses de Verão é normal ver os pedidos diminuírem.

Estes hiatos temporais são, na verdade, oportunidades para os freelancers porque não só de clientes empresariais é feito o mundo do freelancing.

Workshops, ebooks, webinars, podcasts, representam um mundo de oportunidades. Cria propostas de serviços que tenham valor para um outro público alvo!

  • Cobra por um curso online;
  • Lança um workshop;
  • Propõe a uma organização uma palestra sobre um tema da tua especialidade.

São fontes de rendimento passivas, mas constantes e que ajudam a ter alguma estabilidade financeira. Garantes também alguma sanidade mental, ao ocupares a mente com algo construtivo.

O lado mais empresarial do regime freelancer

A veia contabilística ou o papel de marketeer podem não ter nascido contigo, mas terás que assumir estas tarefas pelo bem da estabilidade financeira do teu negócio.

O teu negócio exige trabalho

É fácil olhar para o problema da seguinte forma: os clientes são sinónimo de receitas e é neles que me devo concentrar. Ponto.

Mas priorizar sempre o trabalho externo e negligenciar o próprio negócio não é a solução.

Deves investir (pelo menos) 10% do tempo de trabalho no teu próprio negócio.

Atividades como angariação de clientes, estudo do mercado, networking, devem ser encaradas como investimentos que trazem resultados duradouros.

Conhece a tua rate e torna-a mais competitiva

É dos maiores quebra-cabeças dos freelancers.

Por um lado, ao pedir demasiado, o cliente pode rejeitar a nossa proposta. Por outro, pedir menos pode significar trabalhos menos estimulantes. Nenhuma das situações é ideal.

Estabelece preços competitivos e não tenhas receio de subir a tua rate quando ganhares uma nova competência ou tiveres acumulado experiência. Se fores um bom profissional, o mercado vai aceitar!

É aconselhável ainda verificar se os valores se adequam ao trabalho que desenvolves, uma vez que o mercado pode estar a valorizar e a pagar mais pelos teus serviços.

Mais ainda, podes estabelecer um preço mínimo, um valor a partir do qual não aceitas trabalhos.

Registar as receitas e separar as contas

100, 300, 600 euros? Qual foi a receita deste mês? E como estão os números em relação ao ano anterior?

É importante saber quanto estás a ganhar.

No início, uma folha de Excel basta, porém, como resultado do teu profissionalismo, começas a ter mais clientes, os pedidos acumulam-se, bem como recibos e faturas. Existem diversas aplicações online que podem ajudar-te, com o Boonzi, uma aplicação portuguesa.

Igualmente importante é separar contas profissionais de contas pessoais por forma a controlar com exatidão receitas e despesas ligadas ao negócio e estimar quanto precisas para viver (renda, despesas mensais, lazer).

Conclusão

Embora o trabalho de freelancer esteja associado a maior liberdade quando comparado com um emprego dito convencional, é na verdade mais exigente.

Parece muito trabalho para uma só pessoa, mas com organização e prática conseguirás alcançar a estabilidade financeira que desejavas quando entraste neste barco.

Escrito por

Rita Varandas Fraga

Escrevo em português, mas o meu dia a dia passa-se todo em francês. Vivo numa vila junto à fronteira com a Suíça há quase dois anos. Em Portugal, fui jornalista de informação e assistente de comunicação e marketing. Atualmente, produzo conteúdos para a web, como freelancer, e cada vez mais estou a encontrar o meu ponto de equilíbrio!

1
Deixe um comentário

avatar
  Subscrever  
mais recente mais antigo mais votado
Notificar de
Laryssa
Laryssa

Oii Rita, que post ótimo.
Tenho vontade de largar meu emprego e viver de freela, mas tenho muito receio.

http://larydilua.com/